1563325010.gif

Expos, talks e business: Casa70 Lisboa é o seu ponto de encontro artsy na LX Factory

 
 
 

Quando abriu sua casa para exibir o acervo que colecionou durante toda uma vida de vernissages, feiras e mostras para amigos e apaixonados pelo assunto, a fundadora da maior feira de arte da América Latina (o ArtRio) não imaginava onde estava se metendo. O tom intimista (e, ao mesmo tempo, verdadeiro e visceral) da Casa70 Gávea fez a ideia de Elisangela Valadares crescer e aparecer — tanto, que na época, em 2015, foi preciso “segurar a onda”. Explicando: após a repercussão da edição de estreia, um dos mais importantes jornais brasileiros, a procurou para noticiar o assunto em primeira mão. Foi aí que Elisangela percebeu que deveria repensar o projeto.

“Não dava, era a minha casa; não tinha como abrir tanto assim, pois eu morava ali”, relembra a articuladora. As imersões realizadas na mítica residência instalada no bairro cool do Rio de Janeiro serviram como referência para o mais novo desafio de Elis: transformar o happening criado para poucos e bons em uma galeria de arte aberta ao público. A mudança para Portugal, em busca de mais qualidade de vida e segurança, já estava intrinsicamente ligada ao desejo de fazer história — como fez no Rio — no cenário artístico lisboeta. 

 

foto_casa.jpg
 

 
 
 

“Ao contrário do Rio, eu quero vir ao público e mostrar quanta coisa interessante temos para apresentar”

Depois de muitas pesquisas investigativas, a LX Factory, espécie de central coletiva de novos designers, tendências gastronômicas e desejos de consumo, fez brilhar os olhos desta empreendedora nata. “Ao contrário do Rio, eu quero vir ao público e mostrar quanta coisa interessante temos para apresentar”, explica ela, que tem outros dois sócios na Casa70 Lisboa. O colecionador e galerista há 40 anos, Claudio Valansi, e o designer e empresário Leonardo Jassus formam com Elis a tríade diretora da C70.

Aberta em maio de 2019 em formato de soft opening, paralelamente à feira ARCOlisboa, a galeria tem 140 metros quadrados, onde foram distribuídos, de forma democrática, obras de 12 artistas representados. São eles: Antonio Bokel, Camile Sproesser, Carolina Ponte, Catarina Lira Pereira, coletivo MUDA, Derlon, Fernando de La Roque, Gilberto Colaço, Martim Brion, Pedro Varela e Zé Carlos Garcia — além de duas marcas-conceito (Arrivals Gate e A-Aurora), que incentivam o diálogo entre moda e arte em um espaço multidisciplinar.

Engana-se quem pensa que só de mostras viverá a Casa70 Lisboa. Seguindo a vocação do début carioca, os encontros artsy serão a tônica do lugar, que promoverá workshops, laboratórios, visitas guiadas, exibições de filmes e até lançamentos de coleções de moda e de produtos de design — tudo para fortalecer que o lugar não é só uma galeria, mas um espaço de encontros, trocas e visibilidade para a arte acessível. Embora a abertura de um café-bistrô também esteja nos planos, o próximo passo é lançar a programação cultural que vai movimentar diariamente o espaço e ocupar a LX Factory com obras dos artistas da C70, criando uma sinalização viva na rua e pelos corredores do hub criativo. 

 

Screen Shot 2019-07-17 at 12.49.42 AM.png

Em cartaz

Preto Branco por Davy Alexandrisky

Nesta quinta (dia 20/JUN) acontece o nosso Talk70 com o artista @davy_alexandrisky. Venha conferir o incrível e poético ensaio fotográfico "PRETO BRANCO" que joga luz sobre a questão dos albinos na África. O ensaio realizado em Moçambique traz visibilidade para o abandono e perseguição dessas crianças por motivos de crenças absurdas.